José Aldo responde Dana e questiona ranking: ‘Só vejo superlutas no peso pena’

Manauara defendeu cinturão no início deste mês (Foto Marcelo Barone)

Sem dificuldade, José Aldo passou por Frankie Edgar, seu último adversário, no UFC 156, realizado no início deste mês. Cotado para encarar Anthony Pettis, em 03 de agosto, o brasileiro afirmou, neste domingo (24), em entrevista à TATAME, no Forte de Copacabana, que não concorda com a “furada de fila” proposta pela organização, já que o americano é oriundo do peso leve.

Segundo o manauara, o duelo está em negociação e, apesar de se mostrar disposto a não escolher adversário, Aldo defendeu que é injusto o UFC deixar os desafiantes da categoria em segundo plano.

“Quem merece a chance, em primeiro lugar, é o Ricardo Lamas, pelo fato de ter tirado o Erik Koch, que era o próximo contender. Ele fez por merecer a chance depois da vitória. O Cub Swanson é outro que está em uma crescente muito grande. São atletas da categoria, que lutam há bastante tempo por uma vaga pelo cinturão, que nunca chega em função do UFC colocar adversários da categoria de cima”.

O campeão dos penas criticou o ranking oficial do Ultimate, que não é levado em conta no casamento dos combates e defendeu que o possível embate contra Pettis não deveria ser válido pelo título.

Confira a entrevista na íntegra:

O Dana White falou na coletiva após o UFC 157, sábado (23), que você não quer aceitar a luta com o Anthony Pettis. Isso é verdade ou o combate será aceito?

Não tem nada fechado, ninguém assinou contrato. Estamos esperando o melhor para nós. Não conversei com o Dedé, então não sei como está o caso. Não assisti ao evento ontem, porque estava dormindo, então estou esperando. Primeiro vou conversar com o Dedé para saber como está a situação toda.

Existe a possibilidade de a luta ser recusada?

Isso é muito relativo, a gente não sabe o que está se passando. É uma grande luta, que todo mundo quer ver, mas primeiro tenho que falar com o Dedé.

O UFC colocou o Frankie Edgar contra você em uma superluta e, agora, deseja botar o Pettis. Concorda com essa “furada de fila”?

Não. Eles criaram um ranking para não ter justamente isso, mas não está servindo para nada, porque estão puxando pessoas de outras categorias. Isso está só acontecendo no meu peso, em nenhum outro vejo isso. Todo mundo fala em casar superlutas, mas nunca ocorre nas outras divisões. Temos que sentar para conversar com o UFC para vermos uma solução para esse caso. Por que não botam o Anderson Silva contra os outros todos que estão querendo ver há anos? Desde a época que eu era do WEC ouço essa história de casar luta. Já no peso pena isso tem sido muito mais fácil.

Atencioso e bem humorado, atleta da Nova União distribuiu autógrafos e tirou fotos com fãs (Foto Marcelo Barone)

Por que acha que isso está ocorrendo no peso pena?

Pois é (risos), Não sei se tem algum motivo para isso ou não, mas não importa. Quem quer se campeão não escolhe adversário ou local. Temos que ficar prontos a qualquer hora e é isso que eu faço. Eu me preparo bastante para dar o meu melhor.

Acha que outros adversários, como o Ricardo Lamas, mereciam antes do Pettis essa chance?

Quem merece a chance, em primeiro lugar, é o Ricardo Lamas, pelo fato de ter tirado o Erik Koch, que era o próximo contender. Ele fez por merecer a chance depois da vitória. O Cub Swanson é outro que está em uma crescente muito grande. São atletas da categoria, que lutam há bastante tempo por uma vaga pelo cinturão, que nunca chega em função do UFC colocar adversários da categoria de cima. Se o UFC quiser uma superluta, não vejo problema nenhum. Luto contra quem for, mas, pelo cinturão, tem que ser contra o Lamas ou o Swanson.

Então, você acredita que a luta contra o Pettis não deveria valer o título?

Para mim, não. Como um cara vai disputar o cinturão se ele nunca lutou no nosso peso? É uma injustiça com os outros. Não digo nem por mim, pois sou o campeão e luto contra quem vier, mas é uma injustiça porque está todo mundo treinando, vencendo suas lutas, pensando em virar campeão. Enquanto isso, vem alguém da categoria de cima, pede uma chance e o UFC dá.

O Pettis seria a luta mais dura da sua carreira?

(risos) Já ouvi essa história contra o Frankie Edgar e foi aquilo… Quem enfrentar o José Aldo precisa estar muito preparado, porque eu treino bastante. Lutar é minha vida, então vou sempre treinar duro para dar um show para a galera.

Notícias relacionadas