Minotauro: ‘Herman tem a boca maior do que ele, isso é gasolina, é super motivante!’

Uma das maiores lendas do MMA, Rodrigo Minotauro está de volta. Após conquistar uma excelente vitória na primeira edição do UFC Rio, quando nocauteou o jovem Brendan Schaub, a lenda brasileira acabou sofrendo um duro revés para Frank Mir, que o finalizou e quebrou o seu braço, no final do ano passado.

Com 16 parafusos no braço e uma placa de ferro, Minotauro garantiu que está 100 % recuperado da lesão no braço e pronto para calar a boca do falastrão Dave Herman, na terceira edição do UFC Rio, que acontece em 13 de outubro, na arena do HSBC.

Confira abaixo a entrevista completa com o lutador, que analisou o seu adversário, descartou a aposentadoria, entre outros assuntos.

Como está a expectativa para esse combate no UFC Rio 3?

Expectativa é grande, a motivação é maior ainda, por estar em um evento no Brasil. Fico feliz de estar nesse card no Rio, que queria tanto. Fiquei triste de não representar o Brasil em julho, mas depois pedi para estar no UFC Rio, mas o card estava fechado meses antes, então fiquei na expectativa. Quando teve essa mudança, ficamos preocupados com a situação do Aldo e falamos com o dede para saber dele. Depois surgiu essa chance de entrar no card, no dia estava até com o Anderson fazendo um comercial em São Paulo, onde fizemos um treinão. Ligaram perguntando se estava disponível e eu falei na hora que queria, o Anderson também. Não teve nem negociação.

Como analisa o card do evento?

O card ta bom. Tiveram mudanças com a saída do Belfort, que deu uma enfraquecida. Mas trocaram o adversário do Aldo e ele ficou interessante de novo. Com a saída do Rampage o card não ficou bom, por falta o co-main event, mas agora a gente entrou e ele ficou interessante.

E sobre seu adversário, o que acha dele?

É um cara grandão e a boca dele é maior que ele (risos). Está falando um monte de besteira. Isso é gasolina e eu adoro isso, é super motivante.

Como você está agora, já que está vindo de lesão? Está 100%?

Estou 100%, cada vez mais forte e me sentindo bem. Fiz um camp excelente e já vinha ajudando o Caldeirão no camp dele. A gente treina todo dia. O Maldonado também estava lá treinando. Eu sempre digo: “se você não for lutar, venha treinar com a gente e ajudar”. Agora vamos acelerar no ultimo mês e completar a preparação.

Como será essa emoção de lutar novamente no Brasil, com o esporte sendo mais valorizado?

Eu acho legal essa mudança no esporte. O Brasil reconheceu o esporte, agora toda a mídia acompanha. Todo mundo vê, conhece os lutadores. Eu fico feliz de lutar no Brasil, do lado da minha casa, da academia. Vocês vão ver o tamanho da bandeira da Team Nogueira na arquibancada.

Te incomoda esse papo de aposentadoria?

Não quero me aposentar não (risos). Eu tinha muitos motivos para me aposentar. Já operei meus quadris, tenho varias cirurgias e contusões. Tive lutas duras nesses anos, poderia muito bem parar, ter minha academia. Mas eu amo o que faço, o Brasil ama esse esporte, nunca lutei por dinheiro, até na época do Jiu-Jitsu, então é claro que esse papo de aposentadoria me incomoda. Vou dar meu melhor, minha motivação é o publico, lutar com o Anderson, Maldonado, ter o Rony Jason também que entrou na academia ano passado. Tem o Caldeirão, que, encontrei na rua uns anos e ele me pediu autógrafo quase chorando e agora ele luta no UFC, na academia também. A motivacão é a galera nova e parceiros de treino.

O que te segura para continuar lutando?

Ainda não penso em parar. Meu lema agora é motivação, ainda mais depois dessa contusão séria. Estou com 16 parafusos no braço, uma placa de ferro nele. Me sinto pronto para lutar e fazer melhor.

Te surpreendeu a escolha do Herman?

Não surpreendeu. O adversário a gente não escolhe. Lutaria contra qualquer um. Pensei no Roy Nelson, seria uma excelente luita. Mas gostei do Herman. Ele fala, faz a luta ficar interessante e isso é motivante. Fiquei feliz com a escolha dele. Quero voltar ao ritmo de luta e futuramente lutar com esses tops.

O que você acha da declaração do Herman, quando ele disse que ia te finalizar?

Ele fala o que quiser. Eu não digo que nada é impossível, mas a minha chance de finalizar é maior. Como diz o mestre Dórea: “bate na boca dele para ele parar de falar”.

Notícias relacionadas