Werdum convoca Wanderlei e Cobrinha como treinadores do TUF Brasil 2

Werdum está empolgado para voltar a lutar (Foto UFC)

Fabrício Werdum e Rodrigo Minotauro serão os treinadores do TUF Brasil 2, e suas equipes já estão definidas. Após Minotauro definir seu time de assistentes, o gaúcho revelou, em primeira mão à TATAME, os cinco auxiliares do Time Werdum: Rafael Cordeiro (Muay Thai), Kenny Johnson (Wrestling), Rubens Cobrinha (Jiu-Jitsu), Felipe Werdum (capoeira) e Wanderlei Silva (MMA).

“Vamos inovar com a parte da capoeira, colocando como um treinamento funcional pra galera, e mais um cara que você não vai acreditar: Wanderlei Silva. Ele é um cara especial, é a felicidade”, revela Werdum, que atuou como assistente do ex-campeão do Pride na primeira edição do TUF Brasil, este ano. “Posso não ganhar, mas vai ser o TUF mais engraçado da história (risos)”.

Na entrevista, Fabrício ainda analisou o duelo com Minotauro, previsto para o dia 8 de junho de 2013, relembrando sua evolução desde o primeiro confronto, que aconteceu pelo extinto Pride, em 2006.

“Eu mudei completamente. Quando lutei com ele, eu era Jiu-Jitsu puro, não tinha parte em pé. Era só 171 mesmo. Tomei tanto jab na minha cara que chegou a virar o beiço (risos), tomei dois knockdowns do Minotauro e quase tive a oportunidade de finalizar no finalzinho, mas ele estava no ápice da carreira”, diz, emendando.

Werdum terá a ajuda de Wanderlei Silva no TUF Brasil (Foto UFC)

“Vejo minha evolução em pé, Rafael Cordeiro mudou completamente minha trocação. Eu já tinha essa coisa de guerreiro, mas o erro da transição é pensar que está bem na parte em pé, mas não era o momento ainda. Não podia querer trocar de arte marcial ainda, não estava pronto. Hoje, sou faixa-preta de Muay Thai. O Rodrigo está muito forte, o soco dele é potente. Me vejo bem completo, naquela época era mais um ‘oba-oba’”.

A primeira edição do TUF Brasil foi recheada de rivalidade, com Wanderlei Silva e Vitor Belfort, e Werdum garante que os fãs não terão este clima de animosidade entre ele e Minotauro.

“O formato do programa nos Estados Unidos é assim, os caras quebram porta e se xingam, mas, pelo menos da minha parte, não vai ter isso. O respeito muito como pessoa, sempre que o vejo, trato com respeito. Quero mostrar ao público como é o MMA, com respeito. Mostrar o lado profissional, que qualquer pessoal pode fazer MMA, seja um senhor de 50 anos ou uma criança de cinco. MMA ajuda como defesa pessoal, auto-estima, até pra arrumar um emprego ou conseguir uma namorada (risos)”.

Notícias relacionadas